Adesão do paciente cardiovascular ao tratamento

 

Como melhorar a adesão do paciente cardiovascular ao tratamento?

A aderência do paciente cardiovascular ao tratamento é um fator crítico para o sucesso da terapêutica, ao ser uma das principais razões pelas quais muitos pacientes não alcançam seus objetivos de saúde. Saiba como mudar este cenário!1,2

Pacientes com doenças cardiovasculares precisam seguir um regime de tratamento, muitas vezes, rigoroso e contínuo, o que inclui tomar medicamentos prescritos, seguir uma dieta saudável, fazer exercícios físicos regularmente, controlar o estresse e manter um estilo de vida saudável.1,2

No entanto, muitos pacientes encontram desafios em seguir todos esses passos, o que pode resultar em complicações graves.1,2

Dessa forma, o médico pode ajudar a garantir que o paciente siga o tratamento prescrito e alcance seus objetivos de saúde.1,2

Qual o papel do médico na adesão do paciente ao tratamento cardiovascular?

O papel do médico é crucial para ajudar os pacientes a aderirem ao tratamento prescrito. Os médicos precisam educar os pacientes sobre os benefícios de seguir o tratamento, além de ajudá-los a entender a importância de cada passo do regime terapêutico.1

É essencial que os médicos sejam empáticos e compreensivos com as dificuldades que os pacientes podem enfrentar para aderir ao tratamento. É preciso estar disposto a trabalhar em conjunto com os pacientes para desenvolver um plano que seja realista e acessível, considerando as necessidades e limitações de cada indivíduo.1

Estudos indicam que a baixa adesão ao tratamento medicamentoso para doenças crônicas no Brasil é significativa, e as diferenças regionais, demográficas e de atenção à saúde do paciente e regime terapêutico exigem ações coordenadas entre profissionais de saúde, pesquisadores, gestores e formuladores de políticas para enfrentá-las.1

Como a abordagem médica pode mudar esse paradigma?

Um estudo publicado em 2021, intitulado "Abordagens de comunicação para aumentar a motivação e adesão do paciente na prevenção de doenças cardiovasculares", destaca que a conscientização, intervenção e comunicação são as principais ferramentas da cardiologia preventiva moderna para aumentar a adesão ao tratamento.1

Para isso, é necessária uma mudança de paradigma na abordagem da relação médico-paciente, com mais tempo de consulta e acompanhamento dedicado à mentalidade emocional, psicológica e socioeconômica que os pacientes trazem para as decisões sobre sua saúde.1

O estudo enfatiza que essa abordagem leva a um vínculo mais sólido entre médico e paciente, melhorando a satisfação do paciente com seus cuidados e, o mais importante, melhorando seus resultados de saúde.1

A interação entre médico e paciente é fundamental para a adesão contínua ao tratamento, e o médico deve detalhar a complexidade dos esquemas de tratamento, benefícios, efeitos colaterais dos medicamentos, entre outros.1

Outro estudo, realizado em 2014, avaliou a associação entre o nível de informações recebidas pelo paciente e sua adesão ou não ao tratamento cardiovascular. Os resultados comprovaram que 81,4% dos pacientes que tiveram informações completas sobre dieta, atividade física, tabagismo e ingestão de bebida alcoólica acabaram mudando seus hábitos.1

5 dicas para melhorar a adesão do paciente ao tratamento

Como vimos, o médico é peça-chave para o paciente entender os benefícios da adesão medicamentosa. Assim, algumas práticas podem ajudar.

  • Faça o seu paciente entender todo o processo. Explique aos pacientes por que é importante seguir o tratamento prescrito, destacando, principalmente, os benefícios do tratamento e os riscos de não segui-lo adequadamente.2,3
  • Estabeleça metas alcançáveis. Definir metas alcançáveis para os pacientes pode ajudá-los a sentirem-se mais motivados a seguir o tratamento. Ajude-os a estabelecer metas realistas e mensuráveis que estejam alinhadas aos objetivos do tratamento.2,3
  • Quando possível, simplifique o tratamento. Tentar simplificar o tratamento o máximo possível, prescrevendo medicamentos que possam ser tomados com menos frequência ou que tenham menos efeitos colaterais pode ajudar o paciente a enfrentar as dificuldades do dia a dia. Além disso, o aspecto socioeconômico deve ser considerado.3
  • Mantenha-se perto. Incentivar uma boa comunicação com os pacientes fará com que eles se sintam mais confortáveis para compartilhar suas preocupações, dúvidas e desafios. Uma boa comunicação pode ajudar os pacientes a lidarem melhor com o tratamento e a se sentirem mais motivados.1-3
  • Forneça recursos adicionais. Alguns materiais, como folhetos informativos, vídeos educativos ou links para sites confiáveis, podem ajudá-los a entender melhor sua condição e o tratamento prescrito.2,3

Algumas variáveis podem interagir e contribuir para a dificuldade em manter uma adesão adequada, como aspectos socioeconômicos, comportamentais e psicológicos do paciente, complexidade do regime terapêutico, efeitos colaterais dos medicamentos, entre outros. Todas essas variáveis precisam ser consideradas pelo médico ao elaborar um plano de tratamento e ao orientar o paciente cardiovascular sobre as medidas necessárias para uma adesão efetiva.3

Confira outros conteúdos médicos no portal Viatris Connect e contemple as principais atualizações da Medicina na sua prática clínica. Acesse para saber mais sobre diversas áreas terapêuticas!

FAQ

Qual o papel do médico na adesão do paciente ao tratamento cardiovascular?

O papel do médico é crucial para ajudar os pacientes a aderirem ao tratamento prescrito. Os médicos precisam educar os pacientes sobre os benefícios de seguir a terapêutica, além de ajudá-los a entender a importância de cada passo do regime terapêutico.1

Além disso, é essencial que os médicos sejam empáticos e compreensivos com as dificuldades que os pacientes podem enfrentar para aderir ao tratamento. É preciso estar disposto a trabalhar em conjunto com os pacientes para desenvolver um plano que seja realista e acessível, considerando as necessidades e limitações de cada indivíduo.1

Saiba mais sobre o assunto em Viatris Connect.

Como a abordagem médica contribui para a adesão do paciente cardiovascular ao tratamento?

Um estudo publicado em 2021, intitulado "Abordagens de comunicação para aumentar a motivação e adesão do paciente na prevenção de doenças cardiovasculares", destaca que a conscientização, intervenção e comunicação são as principais ferramentas da cardiologia preventiva moderna para aumentar a adesão ao tratamento.1

Para isso, é necessária uma mudança de paradigma na abordagem da relação médico-paciente, com mais tempo de consulta e acompanhamento dedicado à mentalidade emocional, psicológica e socioeconômica que os pacientes trazem para as decisões sobre sua saúde.1

Saiba mais sobre o assunto em Viatris Connect.

Como melhorar a adesão do paciente cardiovascular ao tratamento?

O médico desempenha um papel importante para garantir a adesão do paciente ao tratamento prescrito. Algumas práticas que podem ajudar incluem explicar ao paciente por que é importante seguir o tratamento, estabelecer metas alcançáveis, simplificar a terapêutica sempre que possível, manter uma boa comunicação com o paciente e fornecer recursos adicionais, como folhetos informativos e vídeos educativos.1-3

Essas práticas podem ajudar a garantir que o paciente compreenda os benefícios do tratamento e esteja motivado a seguir o plano prescrito.1-3

Saiba mais sobre o assunto em Viatris Connect.


Referências:

1. Viatris Connect. O desafio da adesão ao tratamento do paciente cardiovascular. Disponível em: https://www.viatrisconnect.com.br/pt-BR/Therapeutic-Areas/Cardiovascular/Artigo--O-desafio-da-adesao-ao-tratamento-do-paciente-cardiovascular. Acesso em: 11 de maio de 2023.
2. Viatris Connect. Guia: suporte ao paciente cardiovascular. Disponível em: https://www.viatrisconnect.com.br/-/media/Project/Common/ViatrisConnectComBR/PDF/guia_suporte_ao_paciente_cardiovascular_ago_2022_viatris.pdf. Acesso em: 11 de maio de 2023.
3. SILVA, M. S. R.; BURGOS, U. M. M. C. Assessment of adherence to prevention of cardiovascular disease in users of the family health strategy . Research, Society and Development, [S. l.], v. 10, n. 7, p. e39210716778, 2021. DOI: 10.33448/rsd-v10i7.16778. Disponível em: https://rsdjournal.org/index.php/rsd/article/view/16778. Acesso em: 11 de maio de 2023..

 

NON-2023-8067
NON-2023-2511